Sobre armas e livros – O Livre

Deputado Peninha cita Jaraguá do Sul em defesa de decreto de Bolsonaro
junho 13, 2019
Senadores contrários ao decreto das armas são ameaçados
junho 15, 2019

Quem lança mão do jargão “Mais Livros, Menos Armas” demonstra uma alma infantilizada que, invariavelmente, me faz lembrar daqueles desenhos feitos em escolas que acabam na porta das geladeiras das casas

A ideia de livros salvando o mundo de todos os males e protegendo o futuro de nossas crianças é linda, poética e facilmente digerível. É suave e contundente ao mesmo tempo. “Mais livros, menos armas” é mantra que ecoa no inconsciente coletivo com facilidade, está presente no pensamento da ativista Malala Yousafzai, em artigo publicado na Publishnews e, mais recentemente, em postagem da jornalista Rachel Sheherazade.

Esteve presente até como mote de campanha do candidato derrotado Fernando Haddad. Quem lança mão desse jargão demonstra uma alma infantilizada que, invariavelmente, me faz lembrar daqueles desenhos feitos em escolas que acabam na porta das geladeiras das casas.

O simples acesso aos livros não garante que alguém se torne bom ou melhor. Atrocidades inomináveis vêm ocorrendo na história influenciadas por livros e não por armas. Hitler tinha 16 mil livros em suas três bibliotecas particulares. Entre as obras que mais o influenciaram está O Judeu Internacional, do empresário americano Henry Ford, publicada em 1920. Poucos depois, em 1925, o ditador nazista publicaria seu próprio livro, o Mein Kampf, que em 1940 já batia a marca de seis milhões de exemplares vendidos. Era comum presentear crianças recém-nascidas com o que podemos considerar um dos livros mais destrutivos do mundo.

Não podemos esquecer da influência determinante que tiveram os livros Do Capital e o Manifesto Comunista, de Karl Marx, na criação de um dos regimes mais ditatoriais e sangrentos de toda a história do mundo: o regime da extinta União Soviética. E os efeitos transcenderam o tempo e chegaram até nossos dias pelas mãos de governantes como Hugo Chávez e Nicolás Maduro.

Até mesmo obras consagradas de escritores vencedores do Nobel de Literatura não estão livres de influenciar malignamente mentes perversas e autoritárias. Este foi o triste fim de um dos meus escritores favoritos: Ernest Hemingway. O fundador da mais longa ditadura latino-americana, Fidel Castro, também era um ávido e dedicado leitor. Entre as obras reconhecidas por ele próprio como mais inspiradoras se encontra o excepcional Por quem os sinos dobram, que, de acordo com o próprio ditador, “[o] ensinou muito sobre tática de guerrilha”.

Em uma rápida pesquisa de imagens não é difícil encontrar o terrorista Bin Laden – que teve pleno acesso a educação de qualidade – cercado de livros. Se o simples acesso aos livros e a leitura frequente tivessem o poder inquestionável de melhorar o ser humano, transformando-o em um ser de luz e paz, cabe perguntar: como isso não funcionou com Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, líder da principal organização criminal brasileira, que se orgulha de ter lido mais de 3.000 livros na cadeia?

Não faltam exemplos em que os livros trouxeram dor e sofrimento, independentemente de sua beleza e importância literária. É o caso do magnífico Os Sofrimentos do Jovem Werther, de autoria do alemão Johann Wolfgang von Goethe, publicado em 1774, que causou um pico de suicídios copiados do triste fim do personagem principal. A obra acabou por nomear na psicologia esse tipo de ocorrência: Efeito Werther.

Como lidar com isso então? Como impedir que pessoas cometam as mais diversas atrocidades influenciadas por “certos” tipos de livros? Censurar? Proibir? Queimá-los? Passar com rolo compressores sobre eles em público? Em última instância cabe a derradeira pergunta: a culpa é dos livros ou daqueles que executam suas barbaridades? Tenho certeza que você, leitor, tende a inocentar os livros e, óbvio, culpar aquele que comete o ato, certo? E por que raios isso é diferente com as armas? Ninguém se torna um assassino porque possui uma arma, torna-se assassino por escolher matar alguém, e deve ser punido por isso. Simples assim!

Neste momento alguém poderá dizer que o problema é, afinal das contas, o discurso armamentista que tomou conta do Brasil nos últimos tempos… Será? Vamos lá!

Um jovem com claros distúrbios decide invadir uma escola onde foi vítima de bullying. Compra ilegalmente duas armas, munições e executa o seu plano. Mata doze adolescentes entre treze e dezesseis anos, deixa outros treze feridos e incontáveis traumatizados para o resto de suas vidas. Para quem não se lembra isso aconteceu em uma escola de Realengo, no Rio de Janeiro, em 2011.

Nesse ano, Dilma Rousseff assumia a presidência após dois mandatos de Lula, que foi ainda antecedido outros dois mantados de Fernando Henrique Cardoso. Foram mais de dezesseis anos de “cultura da paz”, campanhas de desarmamento, restrições e mais restrições para a posse e porte de armas e nada disso foi capaz de convencer – ou impedir – Wellington Menezes de Oliveira a abandonar seu intento macabro.

Culpar armas e santificar livros é o simplismo daqueles que preferem fugir do mundo real, que procuram a proteção na negação, imaginando que não existam pessoas realmente más e dispostas a matar pelos mais variados motivos. Não, armas não são uma garantia infalível de defesa contra essas pessoas, da mesma forma que livros não são magicamente responsáveis em impedi-las. A única exceção que consigo me lembrar foi em 2016, quando o ex-deputado José Genoíno reagiu a um assalto jogando uma sacola de livros nos criminosos. Deu certo, mas eu não recomendo.

Fonte: https://olivre.com.br/sobre-armas-e-livros/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *